Algumas Estatísticas sobre Saúde Mental


-Transtornos mentais e comportamentais respondem hoje por cerca de doze por cento do impacto das doenças a nível global.


-Estima-se que até o ano de dois mil e vinte esta porcentagem terá crescido para quinze por cento, ou mais.


-Transtornos mentais e comportamentais são frequentes e afetam mais de vinte e cinco por cento de todas as pessoas em pelo menos algum momento de suas vidas

-Cerca de trinta por cento de todos os pacientes atendidos por profissionais das redes básicas de saúde (cuidados primários) apresentam um ou mais transtornos mentais.

-Dentre os transtornos mais frequentes na Psiquiatria, os quais também causam incapacidade, estão os transtornos depressivos, transtornos relacionados ao uso de substâncias, epilepsia, esquizofrenia, demências, retardo mental, e transtornos mentais da infância e adolescência.

-Seis transtornos mentais situam-se entre as vinte principais causas de incapacitação no mundo (anos vividos em incapacidade), sendo eles: os transtornos depressivos, transtornos mentais relacionados ao uso de álcool, esquizofrenia, transtorno bipolar, doença de Alzheimer e outras demências, e as cefaléias hemicrânicas.

-O suicídio está entre as principais causas de morte entre adolescentes e adultos jovens. Encontra-se entre as três principais causas de morte em indivíduos das idades entre os 15 e os 34 anos. Em alguns países da Ásia e Europa, o suicídio ocupa as primeiras e segundas posições entre as principais causas de morte para ambos os sexos. Os dados referentes a tentativas de suicídio estão disponíveis apenas em alguns países; eles indicam que o número de tentativas de suicídio deva ser vinte vezes mais alto do que o número de suicídios consumados.

Exemplos continentais:
 

China - Principais causas de morte
1-Suicídio
2-Acidentes com veículos motorizados
3-Câncer

Europa - Principais causas de morte
1-Acidentes de Tráfego
2-Suicídio
3-Câncer

 

Estados Unidos da América - Principais causas de morte

1-Doenças Cardiovasculares

2-Câncer

3-AVC

 

Brasil - Ler Nota¹

 

Curiosa, e tristemente, a segunda, a terceira e a quarta causa de morte nos Estados Unidos da América entre indivíduos entre os 15-24 anos são: Homicídio, Suicídio e Envenenamentos, respondendo a doença de Alzheimer pela sexta posição no total de mortes. (Population - official 2010 US Census Counts By Age. World Life Expectancy-most recent data from these primary sources: CDC, WHO, World Bank, UNESCO, CIA, NIH).

-Os transtornos depressivos lideram o grupo de doenças mentais que mais levam ao suicídio, embora os números sejam também elevados para a esquizofrenia.

-A presença de doenças físicas graves afeta a saúde mental das pessoas, tanto como de toda a família. A maioria das doenças gravemente incapacitantes ou ameaçadoras da vida, inclusive o câncer em homens e em mulheres e a AIDS, têm esse impacto.

-Países com grandes problemas econômicos em curso e com elevadas taxas de desemprego têm experimentado aumentos correlativos das taxas de perturbações mentais e também de suicídios.

-Portadores de perturbações mentais encontram-se muitas vezes em contato com o sistema de justiça criminal. Em geral, observa-se nas prisões um número excessivo de pessoas com perturbações mentais e de grupos vulneráveis, devido, na maioria dos casos, à falta de serviços voltados para a assistência em saúde mental. Outros fatores tais como crimes relacionados com a utilização de drogas e a condução de veículos sob a influência do álcool também têm colaborado para tornar ainda mais dramáticas estas estatísticas em diversos países.

-Os chamados curandeiros tradicionais (shamans americanos, curandeiros africanos, herbalistas cubanos, feiticeiros dos Urais, dentre outros) constituem a principal fonte de assistência em saúde (o que inclui a saúde mental) para grande parte das populações rurais dos países em desenvolvimento.

-O Sri Lanka ampliou recentemente a duração da formação em psiquiatria e incluiu-a como matéria sujeita a exame final na formação médica.

Serviços de Saúde Mental

-As guerras, os conflitos, as catástrofes, a urbanização não planejada e algumas consequências da pobreza são não somente importantes determinantes de doenças mentais como também são barreiras significativas à redução do desnível de tratamento. Por exemplo, as guerras e os conflitos podem destruir as economias de nações e os seus sistemas de saúde e previdência social, assim como podem traumatizar populações inteiras por longos períodos. E os serviços de assistência em saúde mental para estas populações estão sujeitos a se encontrar extremamente precários e carentes de verbas.

-Os sistemas de assistência em saúde mental vêm atravessando significativas mudanças em muitos países, porém nem sempre para melhor. A estranha e curiosa ansiedade pela aceleração da desinstitucionalização de pacientes psiquiátricos, indubitavelmente necessária em muitas situações, também traz consigo o grave problema de doentes mentais lançados às ruas, famintos e desassistidos, não raras vezes confundidos com marginais e com desocupados. Também é excessivamente insuficiente o que está ocorrendo no desenvolvimento de serviços baseados na comunidade e na integração aos sistemas de assistência básicos da saúde. É interessante assinalar que essas modificações foram inicialmente estimuladas por fatores ideológicos, pelo desenvolvimento de novos modelos de tratamentos farmacológicos e psicoterapêuticos e pela crença de que as formas alternativas de tratamento comunitário seriam mais eficazes em relação aos custos. Até agora, contudo, a maioria das investigações procurando demonstrar a eficácia desses objetivos políticos desenvolveu-se em países industrializados e há dúvidas quanto à viabilidade da generalização dos resultados para os países em desenvolvimento.

-Há em todos os países uma crescente necessidade de mais estudos sobre os custos relacionados ao impacto das doenças mentais e para avaliações econômicas dos programas de tratamento, prevenção e promoção da saúde mental.

Referências:

-Organização Mundial de Saúde/Burden of Mental and Behavioural Disorders
-Organização Mundial de Saúde/The World Health Report

-USA Centers for Disease Control and Prevention - CDC

-Population - official 2010 US Census Counts By Age
-Adicionais: CDC, WHO, World Bank, UNESCO, CIA, NIH

-Healthguidance.org

 

¹Nota: No Brasil as estatísticas oficiais apresentam péssima formatação de apresentação por parte do Ministério da Saúde, além de evidentes e gritantes defasagens. Uma lástima, sugestivo fruto de trabalho muito mal e precariamente conduzido. Há uma matéria publicada pelo jornal “o Estado de São Paulo” em 2008 apresentando os homicídios como sendo a terceira causa de morte no Brasil. Nem o referido jornal pode ser considerado fonte acadêmica para pesquisas científicas desta natureza, e neste território, o que foge à sua alçada, bem como fica aqui ressaltada a necessidade de nos valermos de estatísticas internacionais, lamentavelmente, a fim de informar as pessoas sobre o que acontece no território da Saúde Mental. Créditos, todavia, sejam dados ao trabalho de dedicados membros e professores da Associação Brasileira de Psiquiatria e aos Conselhos Regionais de Medicina de seus respectivos Estados a fim de minimizar este pavoroso cenário epidemiológico apresentado (ou deixado de ser apresentado) pelo Ministério da Saúde, também sofrendo debaixo do nefasto governo comunista do Partido dos Trabalhadores e da chamada *Frente da Esquerda Política do Brasil, onde tudo piora e se decompõe a passo acelerado, inclusive no território acadêmico.

 

*Frente da Esquerda Política do Brasil: Partido dos Trabalhadores (PT), Partido Socialismo e Liberdade (Psol), Partido Democrático Trabalhista (PDT), Partido Socialista Brasileiro (PSB), Partido Comunista do Brasil (PC do B), Partido da Mobilização Nacional (PMN) e Partido Republicano Brasileiro (PRB).

 

Dr Eduardo Adnet

Médico Psiquiatra

 

 

 

As informações contidas neste website são de caráter informativo e de modo algum podem substituir as consultas médicas. Topo